TOPO

Planejar JF - A Planejar Consultores Associados conta com uma equipe especializada e com alta performance em tecnologia na gestão municipal.

MENU

Porcentuais de participação dos Entes na Cide em 2019 foram divulgados

Porcentuais de participação dos Entes na Cide em 2019 foram divulgados

A participação dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios no produto da arrecadação da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) – para o exercício de 2019 – foi definida pelo Tribunal de Contas da União (TCU). A Confederação Nacional de Municípios (CNM) informa sobre a fixação dos porcentuais individuais na cobrança sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados.

De acordo com o Tribunal, os cálculos desenvolvidos utilizaram informações da Agência Nacional de Petróleo (ANP) sobre o consumo de combustíveis por unidade da federação em 2018; dados do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) relativos à extensão das malhas viárias federal e estadual pavimentadas de cada Ente; e informação da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no que se refere à população.

A norma não é definitiva e haverá prazo de quinze dias para a apresentação de recursos pelas unidades federadas. A análise das alegações apresentadas deve ser concluída pelo TCU, a tempo, para republicação dos porcentuais até final de março. A vigência de uma dessas decisões normativas abrange os repasses de abril, julho e outubro do ano em curso e o de janeiro do ano seguinte.

Partilha
Em relação ao processo, a aérea de Finanças da CNM explica que do total arrecadado, 71% pertence à União e 29% aos demais Entes da Federação. Desse último porcentual, 25% será entregue aos Municípios, sendo 50% utilizando os critérios do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e 50% proporcionalmente à população, conforme apuração do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“O repasse é realizado a cada trimestre – janeiro, abril, julho e outubro – em conta específica do Municípios no Banco do Brasil. E os recursos devem ser aplicados em programas de infraestrutura de transportes”, explica a técnica da Confederação Fabiana Santana. 

 

Fonte: Da Agência CNM de Notícias, com informações do TCU.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter